17 pessoas morreram afogadas em Minas nos três primeiros dias do ano: é hora de redobrar os cuidados na água

Início / Notícias Criado em: 13-01-2021 às 09h:33

Durante o verão e o período de férias, muitas pessoas procuram diversão em cachoeiras, lagoas e rios. Atraídas pela sensação de refrescância e descontração, deslocam-se para rios, lagos e cachoeiras para aproveitar as belezas naturais de nossas Minas Gerais.

Entretanto, essa diversão, se não for realizada com segurança, pode resultar em verdadeiras tragédias. E a triste estatística que comprova isso é que, somente nos três primeiros dias do ano, 17 pessoas perderam suas vidas em afogamentos ocorridos em Minas Gerais.

Somente no ano passado, 333 pessoas morreram em Minas Gerais em afogamentos. O número representa um aumento de 18% em relação ao ano anterior, 2019. Desde 2018 ocorre um comportamento de aumento no número de mortes nesse tipo de ocorrência no estado. E o período de verão é considerada a época mais critica do ano, pelo fato da procura dos banhistas por esse tipo de lazer aumentar em decorrência do calor e das férias escolares.

O mês mais crítico do ano é o mês de janeiro, seguido de dezembro. Nesses meses, há um aumento médio de 30% na quantidade de fatalidades quando comparado a outros meses do ano. E o ano de 2021 começa com um triste recorde: as 17 mortes que aconteceram somente nos três primeiros dias desse ano representam mais da metade de todas as mortes ocorridas em janeiro do ano passado.

De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, para evitar que o período de férias e de descanso com a família seja interrompido por uma tragédia ou por um acidente grave, é preciso seguir algumas dicas, que são extremamente simples.

Primeiramente, escolha um local seguro, dando preferência para lugares que tenham bombeiros militares ou guarda-vidas realizando a supervisão dos banhistas.

As lagoas e os rios são os locais que mais acontecem afogamentos em Minas Gerais. Esses balneários possuem características específicas que potencializam as chances de afogamento. A água turva ou escurecida de lagoas e cachoeiras podem esconder riscos para os banhistas. Ao nadar em lagos, é preciso tomar cuidado com objetos que estejam submersos; em cachoeiras, o desnível de uma pedra para outra também pode ser um perigo.

É importante destacar que o CBMMG prepara os militares de forma contínua para atuar nessas situações. Durante os treinamentos, os militares tem a oportunidade de rever e aprender técnicas de abordagem a vítimas de afogamento, utilizando diversos equipamentos disponíveis, como: nadadeiras, máscaras, snorkel, life belt, boias e cordas de salvamento aquático. As técnicas abordadas variam de acordo com os materiais empregados e o número de bombeiros na ocorrência, já que eles podem fazer a abordagem de forma individual ou em duplas.

Além de utilizar técnicas de salvamento aquático, os bombeiros também contam com o apoio de barcos, lanchas e jet-skis para aumentar a área de atuação e proporcionar um atendimento rápido aos banhistas.

Ao avistar uma pessoa se afogando, o mais correto é buscar ajuda de um serviço de emergência. Caso a pessoa não tenha capacitação para realizar um salvamento, a orientação é que jamais o faça. No máximo ofereça um objeto flutuante para que a vítima possa se apoiar. Ao presenciar um afogamento, ligue, imediatamente, para o 193.

.
Dicas de segurança:

- Nunca nade sozinho;

- Crianças só devem nadar sob supervisão de um adulto;

- Não entre na água após ingerir bebidas alcoólicas, pois o álcool afeta os sentidos dos banhistas;

- Não entre na água em locais que você não conheça. Antes disso, descubra características do local, como: profundidade e correnteza;

- Nunca ultrapasse faixas e placas de avisos de perigo. Sempre fique atento à sinalização de segurança do local;

- Não entre na água após refeições pesadas por causa do risco de cãibras;

- Não salte de locais elevados para dentro da água e nem mergulhe de cabeça, pois a água pode esconder tocos de madeira, pedras e objetos pontiagudos;

- Evite brincadeiras de mau gosto, como: "caldos", "trotes" ou "saltos";

- Não se afaste da margem;

- Se começar a chover e relampejar, saia da água;

- Nunca nade perto de embarcações, por causa do risco de ser atingindo por elas;

- Em caso de afogamento, acione imediatamento o Corpo de Bombeiros Militar;

- Sempre procure nadar em locais onde há a presença do Corpo de Bombeiros Militar ou guarda-vidas.